Sutilezas da caridade


No nosso vivenciar nos deparamos com seres humanos de vários matizes.

Uns procuram fazer a caridade através das palavras, levando a orientação e o consolo, exalando o perfume das sílabas, para que as frases acalmem os ouvidos e acalentem os corações.

Outros, pela brandura do seu olhar externam a compreensão, a complacência, a piedade e o perdão.

Outros, através do silêncio paciente dos seus ouvidos, tudo escutam como receptores das tristezas, das mágoas, do desamor, retribuindo sob a forma de compreensão, carinho e amor, o equilíbrio e a harmonia a quem com ele dialoga.

Outros mais, através dos braços e das mãos, auxiliam e curam as feridas, acarinham, distribuem o calor, eliminando o sofrimento daqueles que, como ele, vivenciam esta jornada exalando, de dentro de si, a beleza do amor.

Outros, ainda, permanecem no silêncio, fazendo apenas companhia, levando àqueles que o cercam sua presença e alegria.

Muitos outros, através do seu sorriso, levam às almas sofridas a esperança e a paz.

Façamos a nossa parte, utilizemos os tesouros maravilhosos que o Pai da Vida nos legou, transformando-os em pontes benditas que nos levarão ao encontro dos necessitados, lenindo suas dores, apaziguando seus corações, envolvendo com o suave aroma do amor suas almas combalidas, nos conscientizando de que poderemos, também, nos tornar verdadeiros e operosos emissários do Senhor.