Sinceridade da vida


No nosso vivenciar, quando aqui na terra nos encontramos revestidos do corpo físico, somos possuidores dos instintos comuns do ser humano, que de certa forma, afloram mais ou menos intensamente, levando-se em consideração as nuances da vida que mais nos incitam, que mais nos sensibilizam.

À medida que o tempo vai transcorrendo e que a nossa mente vai detectando, que os nossos olhos vão vislumbrando, que os nossos corações auscultando, que nossas mãos tateando, que as nossas pernas nos levando, sentimos no cerne da nossa alma que a vida vai nos expondo, pouco a pouco, suas rudezas e, também, suas belezas.

Ao mesmo tempo que nos evidencia as tristezas, despertando em nós momentos de tensão, de pessimismo, de amargura, de desequilíbrio, a vida, nos trás, também, momentos de alegria, de paz, otimismo e harmonia.

A vida nos mostra a escuridão e, ao mesmo tempo, a luz que a ilumina.

A vida nos faz sentir o sol causticante das vicissitudes e, ao mesmo tempo, a brisa suave da esperança que nos acaricia.

A vida nos mostra a maldade de alguns seres humanos que evidenciam a crueza dos seus instintos ao mesmo tempo que nos presenteia com tantos outros irmãos que nos auxiliam, caminhando conosco, lado a lado, na mesma calçada.

A vida nos faz vivenciar momentos de muita dor ao mesmo tempo que nos faz usufruir momentos de muita paz e alegria.

Enfim, a vida nos evidencia suas inúmeras fraquezas ao mesmo tempo que nos conscientiza de suas outras tantas fortalezas, deixando bem claro, à luz dos nossos olhos, e ao discernimento do nosso intelecto, que ela é possuidora de maravilhosa sinceridade.

Ela nada nos esconde, ela nos faz ver tudo aquilo que possui, cabendo a cada um de nós auscultá-la, apercebendo-nos do tilintar amoroso do Cristo Jesus a nos indicar os rumos a seguir.

Portanto, filho querido, torna-se necessário que façamos profundas reflexões para que possamos usufruir as luzes que a vida generosamente nos oferece, alumiando os nossos caminhos do agora e do amanhã.

Mudemos nosso pensar, nossas atitudes, nosso falar, colocando gradativamente justiça na nossa mente, mansidão nos nossos gestos, mel nas nossas palavras e sinceridade no nosso coração.

Os ensinamentos do Cristo Jesus, assim como, os exemplos que Ele amorosamente nos trouxe são luzes benditas que iluminam nossos passos e, por mais que queiramos destas luzes nos apartar, mansamente elas banham nosso corpo vivificando a nossa alma.

Em muitas oportunidades não queremos a elas dar atenção e, conseqüentemente, o seu devido valor e, muitas vezes, imbuídos das ilusões do mundo, ao invés de nos dirigirmos ao caminho iluminado pelo Divino Nazareno, sentimo-nos incitados a nos dirigirmos em direção aos atalhos que parecem, ilusoriamente, mais floridos e plenos de frutos.

Vivenciando os prazeres da matéria, não nos apercebemos de que ao final destes atalhos, o precipício nos aguarda e a sua escuridão dificultará o auxílio e a ajuda daqueles que tanto nos amam e tudo fizeram para que conquistássemos a verdadeira felicidade.

O Cristo ilumina a nossa estrada, porém, enceguecidos pelo nosso querer exacerbado, não nos damos conta das flores perfumosas e dos frutos saborosos que Ele, generosamente, nos oferta.

É neste instante que sentimos um doce sussurrar ao nosso coração:"eis a sua oportunidade de crescer; ajude estes irmãos combalidos; faça emergir definitivamente da sua alma o terno testemunho do amor."

Assim, quando muitos destes você recolheu em seu regaço, quando muitas lágrimas enxugou, muitas palavras fraternas pronunciou, muitos corações consolou, sentirá como se o Divino Amigo o amplexasse, envolvendo em ondas de muita paz a sua alma e no recôndito do seu ser ouvirá, como se fôra a Sua doce voz a lhe dizer: "enfim, estamos juntos outra vez ."

Por isto, confie e trabalhe.

Muitos irmãos necessitam de você, muitos corações procuram o seu coração e haja com todos eles, como se Jesus estivesse dentro de si e, assim ajudando, estará auxiliando a você mesmo.

Todas as vezes que o amor sincero brotar do seu interior, exteriorize-o, com a mesma dignidade, justiça e pureza, como o Cristo Jesus o exteriorizou.

Temos e teremos ainda muitas oportunidades para ajudar, não precisamos somente ir ao encontro de quem necessita, pois muitos irmãos ainda virão em nossa direção, bastando apenas que nos sensibilizemos por eles, percebendo as necessidades de cada um.

Portanto, filho querido, se quiser realmente fazer emergir do âmago da sua alma o verdadeiro amor "faça para todos aqueles que cruzarem o seu caminho, o mesmo que Jesus faria se estivesse em seu lugar!"