Regressando


No além, tudo era alegria e contentamento:
Abraços, olhares, palavras de esperança.
Nada se comparava à magia do momento
Quando o espírito retornaria à Terra como criança.

Corações dos mais variados e puros sentimentos
Se congraçavam com o espírito reencarnante
Dos seus interiores evolavam doces pensamentos
Para que, na matéria, continuasse do Cristo amante.

Não havia pessimismo, tão pouco, tristeza.
Ali não fazia morada o estigma da dor.
Eflúvios dulcificados plenos de singeleza
Faziam da oportunidade uma exaltação ao amor.

Era chegado o tão esperado instante.
Dos olhares, acenos, brotavam as primeiras saudades,
Enchia-se de confiança o espírito reencarnante,
Volvendo à Terra para conquistar a felicidade.

O interregno entre dois mundos se fez presente.
Corações tantos jungidos ao daquele que partia
Não o consideravam como um ser ausente
E, sim, agora, mais uma alma que evolvia.

As expectativas, as fortes emoções do momento
Preencheram o ambiente com intensa luz.
Na terra se concretizava um novo nascimento
Docemente amparado pelos braços de Jesus!