Os dois lados do amor!


Vejam queridos filhos, os dois lados do amor. O amor que pode matar e o amor que pode salvar!

Será possível matar por amor? Salvar, sim. Matar, nunca!

Quem ama não quer o mal, o fim da pessoa amada. É capaz de tudo, mesmo o que pareça impossível para salvá-la. Coloca muitas vezes até a vida em risco. Quem ama é capaz de enfrentar estes riscos.

Muitas vezes, confunde o amor como posse. Aí, nestes casos, não consegue admitir que a pessoa amada tenha qualquer atitude que possa significar a perda da posse, do domínio, do controle.

Então um único pensamento pode envolver sua mente: se não puder ser minha não será de mais ninguém! Aí, em nome do amor, veja só, em nome do amor, tira a vida da pessoa amada.

Quando cai em si e sente o gesto tresloucado que praticou, que não tem mais volta, desespera-se, perde-se pelo caminho, acabando com a própria vida, na expectativa absurda, de reparar o mal praticado. Nada encontra a não ser as trevas e o arrependimento atroz que o persegue com muito mais força.

Perambula pelas noites escuras e tenebrosas do umbral na procura, em vão, da saída.

Somente quando a dor do remorso tocar seu coração será aberta uma brecha para que a pessoa amada se aproxime deste querido para resgatá-lo da condição em que se encontra, para ajudá-lo a refazer-se e adquirir condições para trilhar um novo caminho, para retomar o compromisso que foi bruscamente interrompido, pela tresloucada ignorância espiritual.

Fiquem em paz.

Autoria: 
Pai João. Mensagem recebida por Adriano de Castro Filho em 23/03/2009