Revisão de Sr. Oscar conta a história da formação do Núcleo "Paz e Amor” de ter, 12/01/2010 - 15:38


Estivemos em dezembro com Sr. Oscar, presidente desta Casa Espírita, conversando sobre o nosso Núcleo que, no último dia 28, completou 28 anos de existência.

Ele nos contou que tudo começou há muitos anos quando ele e sua esposa, D. Natália, moravam na Rua Gaspar Fernandes. Naquela época eles tinham por hábito apreciar os transeuntes na sacada depois do almoço e havia, entre estes, uma senhora que sempre passava por ali e por quem, sem saber o porquê, tinham uma grande satisfação em vir a conhecer. Eles também já faziam semanalmente o Evangelho no Lar com a presença de parentes, amigos e mesmo pessoas que desejassem entrar, já que mantinham a porta aberta. Foi então que, numa dessas noites, enquanto faziam a prece de abertura, uma pessoa entrou, sentou-se à mesa e deu passividade ao seu mentor, Irmão Licurgo. Findo os trabalhos, souberam que a pessoa era aquela senhora que tanto lhes chamava a atenção. Era ela a D. Laura, que confessou não saber como tinha ido parar lá naquela noite. Depois disso, eles passaram a ter uma grande amizade.

Certo dia, a Dona Laura pediu ao Sr. Oscar que fosse com ela ao culto na casa de uma amiga, D. Conceição. Lá verificaram que, embora ainda sem muita instrução doutrinária, o trabalho contava com pessoas de grande boa vontade. Passaram assim a freqüentar os trabalhos na casa da D. Conceição e logo na primeira ou segunda reunião, o Dr. Licurgo se apresentou e disse que o Pai Jacó, que era mentor do grupo da D. Conceição, estava presente e que pedia para que substituíssem a estátua de barro em homenagem a ele por um vaso de flores, que é mantido até hoje, pois queria ser lembrado como espírito e não como barro.

Posteriormente, a D. Conceição convidou o Dr. Adriano, que era então médico na Casa Transitória onde ela era enfermeira, a conhecer os trabalhos e ele se juntou ao grupo que, nessa época contava já com outras pessoas tais como D. Bassi, D. Neusir, Maria Lacoc e outros. Mais adiante, após a fundação, o Dr. Adriano, que também trabalhava na Nestlé, convidou o Jardim a participar e ele também se incorporou ao grupo. Mais tarde, vieram o Robinson, o Nelson e parte daqueles que, até hoje, compõem a Diretoria da Casa.

Assim, numa certa noite de trabalhos, eles decidiram oficializar o Núcleo, dando-lhe um nome. Vários foram sugeridos, mas o eleito foi mesmo Núcleo Espírita "Paz e Amor”. Nessa época, ainda não havia o nome Assistencial. O registro foi feito com base na primeira ata datada de 28 de dezembro de 1969. Mais tarde, o pai do Sr. Oscar através de uma mensagem informou que o Núcleo já existia no Plano Espiritual com o mesmo nome dado aqui.

Depois, com o crescimento da assistência, passaram a trabalhar junto à Prefeitura no sentido de conseguir um terreno para construir uma sede. Naquela época, as reuniões não mais eram feitas na cozinha da D. Conceição, mas sim num cômodo à parte nos fundos da casa dela, pelo qual eles pagavam aluguel. Foi nessa época que, para dar mais força ao pedido, eles adicionaram o nome Assistencial ao Núcleo. Entretanto, a tentativa foi infrutífera e eles tiveram que procurar um casa maior para alugar, pois não dispunham de dinheiro suficiente para comprar uma. E assim, eles alugaram uma casa na R. Pereira da Nóbrega, onde ficaram por muitos anos. Depois, passaram para a casa da Basílio da Cunha, ainda alugada. Nesse período, eles ficaram sabendo de uma casa na Muniz de Souza que estava para alugar ou vender e resolveram conversar com o proprietário. E assim, embora achassem o preço informado muito caro, estiveram num sábado de manhã em reunião com o mesmo, e nosso irmão Jardim fez uma oferta dentro das possibilidades do Núcleo. E qual não foi a surpresa quando o proprietário aceitou a proposta. Então, no dia 10 de março de 1992, foi feito o registro da sede própria com o endereço atual, à Rua Muniz de Souza, 72. E assim surgiu o nosso querido Núcleo de Paz e Amor.

Autoria: 
Aurea Camargo Ribeiro, Ricardo Rossi Roberto e Marisa S. Oliveira