Não existe adeus


Nos magnos momentos de tristeza e de dor,
Quando sentimos na alma o flagelo da separação,
Busquemos o doce consolo do amor
Que se faz presente pelas vias da resignação.

Nossos olhos úmidos de pranto-saudade
Daquele coração amado que conosco viveu
Definitivamente, do corpo recebeu a liberdade
E no mundo dos espíritos renasceu.

Agora, o corpo inerte e enregelado,
Outrora pleno de vida, calor e energia,
Por corações tantos foi ternamente amado,
Da matéria se desvencilhou conquistando a alforria.

Nesta Terra bendita, terminou sua romagem.
Seu espírito se eleva ao infinito com destemor,
Busca agora nova e mais bela paisagem
Recebendo dos céus o passaporte do amor.

Sim, cerrou seus olhos para o mundo,
Não mais possuem o brilho e luz.
Porém, neste sono abençoado e profundo,
Será ternamente amparado pelos braços de Jesus.

De quem partiu, guardaremos lembranças.
Em momento algum, lhe diremos adeus,
Pois dentro de nós é viva a esperança
De que nunca estamos sós, estamos com Deus!