Em detalhe


No nosso vivenciar neste planeta azul, que amorosamente nos acolheu, deveremos nos ater a diversos momentos, que bem analisados nos servirão, no amanhã, de bússolas a nortear os nossos passos.

Não devemos passar a vida simplesmente analisando, de forma superficial, suas belezas, seus caminhos e descaminhos.

Muitas vezes, temos de obstar às nossas emoções e instintos e analisar, com maior riqueza de detalhes, as diversas experiências que se fazem presentes em nossas vidas.

Se, por exemplo, descansarmos o nosso olhar sobre um roseiral, constataremos, de imediato, a beleza das suas cores, o perfume das suas rosas e o seu doce balouçar quando acarinhadas por suave brisa.

Porém, se tomarmos em nossas mãos uma única flor, perceberemos as nuances de suas cores, a perfeição e o aveludado das suas pétalas, o orvalho que insistentemente conservaram, os espinhos encrustados no seu caule, enfim, passaremos a conhecer a flor em profundidade e, consequentemente, usufruiremos de suas tantas belezas que a superficialidade da análise não nos permitiria.

Devemos portanto, refletir, em detalhe, sobre o nosso viver, com dignidade, com justiça, com firmeza de propósito, para que possamos auferir de cada instante um aprendizado e conquistarmos, para o acervo das nossas vidas, novas e importantes experiências.

A dor, companheira fiel da nossa lida, também deve ser por nós profundamente analisada e tudo deveremos fazer para que não passe por nós sem deixar rastros de aprendizado e de conhecimento, trazendo-nos apenas pessimismo e revolta.

Para que a dor não se transforme no estigma da tristeza e para que as alegrias não sejam efêmeras, empenhemo-nos em auferir destes momentos, oportunidades maravilhosas para o aprendizado e o conhecimento, não nos olvidando de que colhemos do que semeamos e de que o Pai da vida, na Sua infinita justiça, dá a cada um de nós, a parte exata que merecemos!