O segredo da felicidade


A essência dos relacionamentos humanos de qualidade, sempre foi foco de especulações. No entanto, em todas as filosofias e teorias um único princípio, conquanto antigo, mantém-se sempre incólume: o amor ao próximo. Na realidade, é quase tão antigo quanto a própria história do homem.

Ensinado e pregado pelos grandes líderes espirituais, teve em Jesus seu Mestre maior, que, aliás, resumiu tal princípio num único pensamento: "Faça aos outros o que gostaria que eles fizessem a você".

A capacidade de lidar com altruísmo, provavelmente, nunca foi um princípio fácil de ser assimilado por nós.

Acostumamo-nos a viver com o que recebemos, mas as verdadeiras recompensas são experimentadas em virtude do que damos. Nossa realização pessoal e espiritual, no final do dia, não será completa se não tivermos feito algo por alguém que, talvez, nunca poderá nos retribuir, ou mesmo, que não mais iremos encontrar.

No decorrer das nossas agitadas atividades, há que se pensar que o real objetivo da vida não é ganhar, mas crescer, expandir, compartilhando sentimentos, sempre.

Todo mundo deseja sentir-se útil para alguma coisa e, sobretudo, importante para alguém. As pessoas, invariavelmente, dão seu amor, seu respeito e atenção àqueles que, igualmente, satisfazem suas necessidades.

E assim, sabedores de que a maior de todas as pobrezas é a solidão e o sentimento de que não somos queridos, coloquemos nossos corações, ainda que feridos, em estado receptivo para compartilhar emoções, porque, certamente, além de ofertarmos o nosso melhor estaremos recebendo, amparados pelos nossos Protetores Espirituais.

Por tudo isso, devemos estabelecer uma nova regra a partir de hoje: sempre tentar ser um pouco mais amoroso do que ontem. Agindo assim com as pessoas que nos cercam, o tempo permitirá que ampliemos essa prática a todos que cruzarem nosso caminho.

Será, então, essa a nossa verdadeira felicidade.

Autoria: 
Priscila Vivian Ferreira