A prática da caridade também é a prevenção


PERGUNTA DE MOACYR M. BITTENCOURT: Como o Espiritismo explica o fato de uma criança que sofre de espancamento pelos pais, de escravidão em alguns países, de violências covardes por parte de adultos? Não seria crueldade dessa religião afirmar que uma criança inocente e sem meios de defesa, passe por provas e expiações?

Poderíamos responder sua pergunta com uma outra pergunta: É crueldade o ato de um médico diagnosticar uma doença gravíssima? Ou ele apenas vê os fatos e tenta contorná-los atuando sobre as causas?

O espiritismo não justifica o espancamento ou sofrimento de quem quer que seja, ele apenas tenta levantar um pouco de luz sobre o porquê disso acontecer.

Nós espíritas, sabemos que a vida não se inicia na presente encarnação. Allan Kardec, na introdução do Livro dos Espíritos, cita casos de crianças que já nascem comprometidas, demonstrando que as provas que o espírito em alguns casos deve passar, às vezes o alcança em tenra idade. Isso não é nenhuma justificativa para a violência, mas poderíamos interpretar como o despertar de uma consciência que aquele espírito em tenra idade necessita passar. Assim, podemos concluir que a mais importante terapêutica é a prevenção. A doutrina nos ensina a atuar com ajuda, porque ela é uma doutrina consoladora. Sabendo a origem do problema podemos melhor combatê-lo e evitar que ele venha a ocorrer por outras vezes. Sempre alguém pode auxiliar, estender a mão, alterar um quadro desolador.

Richard Sirnonetti nos lembra que "quando a contenção da violência deixar de ser um problerna policial e se transformar em questão de disciplina do próprio indivíduo; quando a paz for produto não da imposição das leis humanas, mas da observação coletiva das leis divinas, então viveremos num mundo melhor."

Na realidade, o que observamos nos dias atuais é a leviandade de muitos mestres e educadores imaturos, sem habilitação moral para tais propósitos, ou seja, para a educação de novos indivíduos que aportam na crosta terrestre, facilitando a disseminação da violência.

Infelizmente ainda há muitos pais por todo o planeta Terra, que possuem a crença de que esta forma de agir é capaz de educar uma criança.Tais manifestações violentas vão-se atenuando no cadinho dos séculos, que deverão ser extirpadas do coração humano, graças a evolução e melhoria espiritual.

O homem renovado espiritualmente deverá investir contra a chaga da violência através de sua ação reestruturante da sociedade, buscando suprimir a injustiça social, lutando contra todas as situações que fomentam a miséria econômica e instigam o ambiente pernicioso que ora vige, combatendo, acima de tudo, o orgulho, o egoísmo e a indiferença presente no coração de cada um.

Nessa visão, o homem entenderá que ninguém pode se omitir sabendo que todo tributo de amor, como a paciência e todo o fruto de luz, como saber, são valiosos tesouros para o futuro na aquisição de outras verdades, que libertará o homem e lhe dará a paz tão almejada.

Diz o mestre Jesus, no Sermão da Montanha: "Bem-aventurados os mansos porque eles herdarão a Terra", numa alusão clara de que só aqueles que vencerem seus impulsos violentos, fazendo-se construtores da paz, terão a oportunidade de habitar a Terra em seu período de regeneração."

Dúvidas sobre a Doutrina? Envie sua pergunta para o e-mail: divulgacao@neapa.org.br.

Autoria: 
Márcia R. Farbelow e Hugo Puertas de Araújo