Nossa fé pode esclarecer os nossos destinos


PERGUNTA DE ELISANDRA (nome incompleto): Há poucos dias faleceu meu avô, uma figura muito importante em minha vida. Acredito que há algum tempo ele vinha aceitando o seu fim aqui na terra, pois nestes ultimos dias já não falava e pouco se alimentava. Parecia que estava longe, sem brilho, deixando sua vida física aos pouquinhos. Quando perdemos uma pessoa muito querida, tentamos entender melhor a morte, que até então não tinha tanta importância. Minha dúvida é: Quanto tempo ele pode demorar para entrar em contato por psicografia? Todos entram em contato? Como devo orar por ele? Que livro devo ler?

A perda de um ente querido é sempre uma experiência triste, principalmente quando não temos uma fé que nos esclareça sobre o seu destino. Aliás, essa é provavelmente a maior preocupação da humanidade. E foi também para dar uma resposta a essa preocupação que os próprios espíritos vieram se comunicar conosco e nos dizer que continuavam vivos, nos amando como quando ainda estavam conosco. Essa foi, provavelmente, a maior revelação de toda a história, a revelação não só de que a morte não existe, como também a da continuidade dos sentimentos das pessoas nos dois lados da vida.

É sabendo disso que podemos substituir todo o sentimento ruim que associamos à morte pela simples saudade que temos de um ente querido ausente, saudade essa associada à certeza de um reencontro. Quanto às comunicações, nem todos os espíritos podem se comunicar conosco, pelas mais variadas razões. Também varia o tempo necessário para que haja uma comunicação, podendo ser que ela só ocorra depois de alguns dias, meses, anos, ou mesmo nunca aconteça. Isso porque os espíritos, além de terem que se preparar, também precisam desempenhar certas atividades e, mesmo não nos esquecendo e desejando se comunicar conosco, ainda assim não podem fugir das obrigações.

O importante é que, aqui na Terra, nós trabalhemos em favor de nosso aprimoramento moral, o que podemos conseguir através do estudo e da caridade, assim como eles também trabalham na Espiritualidade pelo mesmo objetivo.

Tudo o que foi aqui dito pode ser melhor estudado e compreendido através dos livros básicos da doutrina espírita, que são "O Livro dos Espíritos", "O Livro dos Médiuns", "O Evangelho Segundo o Espiritismo", "A Gênese" e "O Céu e o Inferno", todos de Allan Kardec. Após o estudo desses livros, há ainda muitos outros que podem complementar a informação obtida nos primeiros. Recomendamos os livros de Hermínio C. Miranda que é um autor que se ocupa bastante dessa temática.

A dor da perda existe, mas não podemos nos entregar a ela. Devemos ver antes a situação como análoga à de alguém que gostamos muito e que foi viajar para um lugar distante. A separação é penosa, mas ainda vamos nos encontrar, e muito, pelas estradas da vida.O que chamamos morte, nada mais é do que um fenômeno biológico natural.Seja pelo desgaste normal dos órgãos físicos ou de outra forma qualquer, todos deixaremos o corpo e voltaremos à pátria espiritual de onde partimos um dia. Assim, tenhamos a certeza de que a separação é apenas temporária. E que mais cedo ou mais tarde tornaremos a reencontrar nossos amores dos quais sentimos saudades.

Dúvidas sobre a Doutrina? Envie sua pergunta para o e-mail: divulgacao@neapa.org.br.

Autoria: 
Márcia R. Farbelow e Hugo Puertas de Araújo