Mais uma importante lição para nossa reflexão


Durante minha leitura do livro "Deixe-me Viver", de Luiz Sérgio, psicografado pela médium Irene Pacheco Machado, retirei este importante ensinamento de César, durante uma palestra no Plano Espiritual, o qual transcrevo a seguir:

"Estou aqui, neste anfiteatro, junto a vocês, pedindo a Deus por todos e tentando oferecer a cada trabalhador do mundo físico um pouco das minhas experiências, desejando que a Terra cresça em direção a Deus, e que em cada estação Divina (Casa Espírita) existam criaturas sabendo orientar aqueles que longe se encontram das verdades espirituais. O espiritismo tem de acompanhar o avanço da ciência e hoje, com o progresso da tecnologia, não se concebem os espíritas estáticos, somente sentados em mesas mediúnicas, desejando doutrinar espíritos desencarnados, enquanto a cada segundo desencarnam pessoas de maneira cruel, e muitas sem qualquer preparo espiritual. Devemos amparar a criança, o jovem, enfim, o ser humano, apresentar-lhes Cristo, não de maneira autoritária, nem fanática, mas vivendo cada espírita de um modo diferente da vida que vivem os homens apegados a matéria, longe da avareza, da bebida, do fumo e dos desvios sexuais. O espírita tem por obrigação tornar-se um ser evangelizado em casa, na rua e no trabalho, não usando as palavras para doutrinar, mas sendo um exemplo de vida para todos aqueles que se aproximam. O espírita que só vai ao Centro no dia de reunião de seu grupo está na Doutrina, mas ela ainda não entrou em seu coração. Os "mortos" precisam dos "vivos", mas hoje os "vivos" precisam uns dos outros para não morrer de dor e solidão. Quem somente frequenta os grupos mediúnicos precisa perguntar, na Casa, onde ela está necessitando de ajuda e, nesta, devem existir grupos de trabalhos manuais, artesanato, pintura, teatro, biblioteca. O serviço social deve receber de todos os frequentadores um carinho especial. Casa sem caridade é Casa sem alicerce. Médiuns espíritas: lutem por uma vida doutrinária e tenham a certeza que Cristo está onde a mão ampara, cura e levanta. Que Deus nos abençoe, hoje e sempre".

Autoria: 
Suzana A. da C. Ferreira