O início da Escola de Aprendizes


Até 1940, a maioria dos Centros Espíritas se preocupavam apenas com os efeitos físicos e com longas dissertações filosóficas, não tendo a preocupação com o estudo e com a transformação moral das pessoas.

Foi então que o Plano Espiritual, buscando a figura de Edgard Armond, começa a preparar a transformação moral e evangélica em nosso povo. Armond, entra para a Federação Espírita do Estado de São Paulo, dando grande impulso ao Espiritismo no Brasil. Organizando a assistência espiritual, cria os passes padronizados, as entrevistas, palestras e sistematiza todo o trabalho de atendimento ao próximo. Com isso as portas da Federação são abertas ao grande público.

Mas ainda não era suficiente, e Armond sentia que era necessário algo que priorizasse a transformação do ser humano.

Auxiliado pelos Espíritos Razin, lsmael e Bezerra de Menezes, e outros Espíritos superiores, começa a preparar um programa de estudos, um programa de conscientização e reforma moral para a vivência do Cristianismo, como proposta para aperfeiçoamento da Humanidade. Um programa em que se busca a renovação do ser em seus sentimentos mais profundos, seus pensamentos mais cotidianos, em suas atitudes, proporcionando-lhe um verdadeiro auto-conhecimento, e despertando assim seus ideais divinos.

Esse programa chama-se Escola de Aprendizes do Evangelho. Iniciada em 6 de maio de 1950, esta escola é, até hoje, um verdadeiro processo de Iniciação Espiritual baseado no Evangelho de Jesus.

Através das Escolas de Aprendizes do Evangelho vamos despertando nossa consciência interna, fazendo com que nossos corações vibrem em sintonia com planos mais elevados, através da prática da Boa Nova, até que um dia possamos nos juntar a Paulo de Tarso e dizer também: "Já não sou eu quem vivo, mas é o Cristo quem vive em mim."

Autoria: 
Baseado em texto de "O Trevo" da Aliança Espírita Evangélica