Ensinamentos do Irmão Karl


Aritmética Espiritual. Ao procurar esclarecer um jovenzinho simpático e trabalhador sobre o valor do desprendimento dos bens materiais e da prática da caridade junto aos seus colegas da escola, o Irmão Karl deu-nos um precioso ensinamento de aritmética espiritual, ao fazer uma analogia com a taboada e as operações elementares. Irmão Karl perguntou-lhe qual a operação mais fácil. "Somar", respondeu ele. "E multiplicar"? "Bom, multiplicar não é fácil, mas o que eu acho muito difícil mesmo é dividir", desabafou o garoto. E, aí, o Irmão Karl arrematou: "Especialmente quando se tem de dividir um sanduiche, um doce, com quem está sem merenda, não é"?

E aí veio a lição para o javem e que, para os adultos, traduzimos assim: Na nossa luta contra o egoísmo e a posse, somar e subtrair para nós mesmos satisfaz o instinto, multiplicar no bem requer um esforço incessante de reforma íntima, mas dividir exige de nós uma luta difícil e sem tréguas contra as nossas mais profundas inclinações indesejáveis, ou seja, os nossos instintos de posse egoística ainda remanescentes no nosso íntimo das ancestrais lutas pela sobrevivência no caminho evolutivo da humanidade da animalidade para a racionalidade e, daí, para a sublimidade dos sentimentos.

O ato de dividir dá ao beneficiário da divisa, que nada tem, a oportunidade de também multiplicar.

Fios Desencapados. Numa outra analogia, que a mente fértil do Irmão Karl cria a todo instante para facilitar o entendimento, como Jesus fazia com suas imcomparáveis parábolas, comparou ele a impulsos instintivos, que se projetam fora de nós em atos negativos sem controle para causar tantos males, a fios elétricos desencapados do nosso sistema preventivo interior, os quais, conectados inesperadamente à nossa herança ancestral irracional, por qualquer evento externo que fere os nossos melindres, susceptibilidades, orgulho, egoísmo, etc., desencadeia faíscas, choques, curto-circuitos de graves consequências muitas vezes.

Há que se proceder gradualmente ao encapamento desses fios pela transformação consciente dos impulsos instintivos, hoje travestidos em orgulho, egoísmo, vaidade, ignorância, com os isolantes dos sentimentos nobres de humildade, tolerância, despreendimento, compreensão, perdão, amor, enfim, que nos farão criaturas imunes aos estímulos negativos que venham de fora para nos desequilibrar.

Autoria: 
Episódios anotados por Raphael Rios