Os erros fazem parte do processo de aprendizado


Todos nós, seres humanos encarnados neste planeta de provas e expiações, temos contraído inúmeras dívidas ao longo de nossa existência; apesar disso, estamos fadados ao progresso e à perfeição. E o tempo que levaremos em cada etapa do nosso processo evolutivo depende de nós mesmos.

Ainda assim, por mais que nos esforcemos, é sabido que é impossível passar da brutalidade primitiva à perfeição no curto espaço de uma vida humana. Para isso, o Criador nos concede a reencarnação como prova de sua infinita misericórdia, pois assim teremos nova chance para acertar onde, outrora, erramos. Procuremos, portanto, tornarmo-noso melhor ser humano que pudermos. Esforcemo-nos em aprender coisas novas, ajudar o nosso semelhante, tendo para com ele apenas atitudes que gostaríamos que ele nos dispensasse.

O remorso e o arrependimento são passos importantes que nos mostram que já atingimos a compreensão de nossos atos. E não paremos por aí! Não nos entreguemos à culpa que é um sentimento que não leva a nada. Ao invés da estagnação, mantenhamo-nos em movimento. Procuremos corrigir o que erramos, peçamos desculpas a quem ofendemos, mas não nos detenhamos nessa etapa.

Preocupemo-nos com o que poderemos ainda fazer e, aí, concentremos as nossas energias.

Lembremo-nos: os erros fazem parte do processo de aprendizado. Por isso não tenhamos medo de errar, porém, esforcemo-nos para evitá-los e aprender com eles.

As pessoas erram, mas somente aquelas que são capazes de aprender com os próprios erros é que realmente progridem e com isso sofrem e equivocam-se menos.

Autoria: 
Hugo Puertas de Araujo e Márcia Regina Farbelow