A enorme responsabilidade de um expositor


Apresento uma entrevista de um amigo de todos nós, que abraça os próprios deveres nos auxiliando a caminhar confiantes em Jesus, demonstrando que o melhor para nós está em nosso próprio alcance.

Estamos Aqui - Durval, qual o segmento da Doutrina Espírita que você mais aprecia; a ciência, a filosofia ou a religião? Por que?
A doutrina espírita para mim é o todo "ciência, filosofia e religião". No entanto, o que mais aprecio e o que me toca mais fundo é a religião, uma vez que, como ensina Emmanuel, as religiões estabelecem a harmonia interior da criatura humana; é a religião que nos impele à conduta certa e nos aponta o caminho mais correto para a harmonia de todos nós, uns com os outros. É da religião que se extrai o lema: "Fora da caridade não há salvação".

Estamos Aqui - Há uma frase em suas palestras que você sempre nos lembra: "O bem que se faz, anula o mal que se fez". Como efetivamente se dá isso em seu entendimento?
O mal que nós, um dia, já praticamos foi fruto de nossa ignorância e de nossa invigilância. A prática da caridade, que aos poucos ilumina o nosso coração é a prática do mandamento "Amai-vos uns aos outros", que aos poucos vai nos libertando do nosso passado, nos distanciando do mal que um dia porventura fizemos, e nos permitindo adquirir virtudes que nos elevam o espírito.

EA - Você acha que um palestrante pode modificar a vida de uma pessoa que com frequência vem a esta Casa Espírita?
As palestras são oportunidades que temos de entrar em contato com os ensinamentos da doutrina espírita, por intermédio de alguém que, como um professor, vai nos apontando caminhos, salientando pontos que talvez sozinhos não nos apercebêssemos, e nos animando a continuar na trilha do bem. Não há dúvida, no entanto, que uma palestra pode despertar em nós reflexões e iniciativas que podem nos levar a modificar um comportamento.

EA - É difícil atestar Jesus, quando se fala a assistidos em escalas evolutivas tão diferentes?
Todos nós, desde a infância, gostamos de ouvir histórias, porque aprendemos muito com elas. A vida de Jesus foi um exemplo vivo de tudo que ele ensinou. Jesus era compreendido por todos porque falava de coisas profundas de modo simples e claro, sempre dando o exemplo de tudo quanto ensinava. Desse modo, falar e dar testemunho de Jesus e de sua obra é uma tarefa gratificante que nos permite atingir a todos os corações, seja qual for o estágio evolutivo de quem nos escuta.

EA - Um Juiz de Direito deve julgar. Como você concilia isso com os ensinamentos de Jesus?
Todos nós, antes de julgar os erros alheios, devemos sempre lembrar uma frase de Jesus: "Quem estiver sem pecado atire a primeira pedra". Um Juiz de Direito, no entanto, é uma autoridade terrena, existente em todos os países e ainda muito necessária diante das exigências sociais de pacificação de conflitos e em razão do estágio evolutivo ainda atrasado dos habitantes do planeta. Quanto a este tipo de autoridade, Emmanuel, na obra "O Consolador", nos ensina que: "A autoridade judiciária, como peça integrante da máquina do Estado no desempenho de suas funções especializadas, deve saber onde se encontra o recurso conveniente para o corretivo ou para a reeducação do organismo social, mobilizando, nesse mister, os valores de sua experiência e de suas responsabilidades".

EA - Pregar e viver o amor, conforme ensinou Jesus, constituem em luta íntima para um expositor?
Sim. Com o que aprendemos na doutrina espírita concluímos que não nos serve aquele velho jargão: "Faça o que eu falo mas não o que eu faço". O expositor espírita, assim como também todos os ouvintes, deve vivenciar e exercitar aquilo que ele ensina, para que assim tenha mais autoridade sobre o tema de que está falando. Além disso, o expositor, como todo espírita, também busca sua reforma íntima e sua própria evolução, de modo que sua preocupação constante é tentar por em prática os ensinamentos que a doutrina espírita lhe proporciona.

EA - Durval, deixe-nos uma "dica", uma frase, qualquer coisa para podermos começar bem o nosso dia.
Viver é uma oportunidade bendita de aprender e crescer. Sigamos em frente, certos de que Jesus é o nosso guia. Nada haveremos de temer, porque temos nele o nosso sustento.

Autoria: 
Márcia Regina Farbelow