Por que me chamam Felicidade!


Na sexta-feira, 16 de fevereiro de 2007, após a leitura e comentário da mensagem do Evangelho segundo o Espiritismo, a "Felicidade não é deste mundo", a nossa querida Vovó Felicidade contou-nos sobre a origem de seu nome.

"Quando adolescente, com 11 anos de idade, observava as meninas que viviam na casa grande. Todos os domingos cuidavam de seus cabelos, passavam carmim no rosto para ficarem mais bonitas ainda, vestiam seus melhores vestidos e seus melhores sapatos para irem à missa e passearem na cidade.

Como gostaria de me vestir e enfeitar como aquelas meninas, mas sabia ser impossível!

Isto me deixava muito triste...!

Pai José que tudo observava, chamou-me e procurou mostrar-me como tudo aquilo era ilusório.

O que realmente importava era o que trazíamos em nosso interior. Ali é que estava a nossa beleza!

As roupas, sapatos e tudo mais são passageiros. Assim como chegam, também vão embora. O que trazemos dentro de nós, isto fica! É nossa propriedade e ninguém pode nos tirar.

Passados alguns dias, um grande alvoroço tomou conta da casa grande. Uma daquelas meninas estava grávida. Os seus pais a todo custo queriam saber o nome do responsável para reparar a honra de sua filha. A felicidade que até então envolvia aquela família, estava se desfazendo.

Este acontecimento me fez compreender o que Pai José havia dito.

A partir daquele dia sempre que encontrava alguém triste, infeliz, repetia com muito amor tudo o que ouvira.
Preta velha cresceu, ficou adulta, envelheceu e hoje se encontra na vida espiritual e nunca mais abandonou este objetivo: aliviar os corações aflitos que não conseguem encontrar sua felicidade.

Graças a Deus, ainda hoje, temos a alegria de poder tocar os corações aflitos e desesperados com palavras de compreensão, fé e esperança para que cada um consiga encontrar sua verdadeira felicidade!

Autoria: 
Adriano de Castro Filho