Os espíritos são seres reais


PERGUNTA DE JORGE DO GEAK (Grupo Espírita Aprendizes de Kardec): Gostaria de um esclarecimento quanto a colocação do termo "seres humanos". Quando citado, refere-se somente aos encarnados (o homem propriamente dito) ou tal expressão pode ser também utilizada para a erraticidade?

Isso tudo é uma questão de semântica. Uma vez estabelecida uma definição, qualquer palavra pode ser usada para expressar qualquer idéia.

O mesmo vale para o caso do "ser humano". Se pensarmos em "ser humano" como referente apenas à espécie humana, ser físico, biológico, então o termo só pode ser empregado para designar os encarnados.

Mas se pensarmos nele como um designativo para todo e qualquer ser que já transcendeu a animalidade, então pode-se empregá-lo indistintamente para encarnados e desencarnados.

Importa depreender-se o sentido original a partir do próprio texto, mas achamos que, em geral, os textos espíritas empregam o termo "ser humano" com o segundo significado expresso anteriormente. Quem já não se deparou com o seguinte termo: "A humanidade encarnada em outros orbes"...?

Os espíritos nada mais são que os homens fora do corpo, em outro estágio de vida.

Pensam, sentem, aproximam-se dos homens, com eles se relacionam incessantemente.

São seres reais, mas longe de serem fantasmagóricos ou "seres de outro mundo", são simplesmente as criaturas humanas despojadas do corpo de carne, pelo fenômeno da morte ou desencarnação na linguagem espírita.

Vivem em sociedade, trabalham, se instruem e se preparam para nova jornada na Terra, através de outro corpo físico, pela reencarnação, que significa retorno à vida no planeta em outro corpo.

Dúvidas sobre a Doutrina? Envie sua pergunta para o e-mail: divulgacao@neapa.org.br.

Autoria: 
Márcia R. Farbelow e Hugo Puertas de Araújo