Programação de nosso desencarne e o aborto


A partir do próximo mês, estaremos publicando as dúvidas de nossos leitores esclarecidas pelos tarefeiros de nosso Núcleo. Seguem abaixo mais algumas questões formuladas pelos leitores da Revista Cristã de Espiritismo.

Pergunta: É possível programar nossa morte antes de reencarnar?

A morte do corpo é algo inevitável, independe de qualquer vontade expressa. Não existe um destino pré determinado - construímos nosso futuro a cada decisão tomada, com todas suas consequências. Em casos específicos, podemos até nos programar para experimentar determinada situação em nossa vida física, mas isso só aconteceria de acordo com o programado se agirmos todo o tempo conforme os planos. E aí, como ficaria nossa liberdade de agir e, portanto, nossa responsabilidade? Apenas as linhas gerais de nossa encarnação são planejadas, e tudo o mais decorre de nossa vida cotidiana e das escolhas que não paramos de fazer.

Pergunta: Em Goiânia, Goiás, foi autorizado legalmente um aborto de 7 meses de gestação. A mãe fez ultrassonografia detectando que o feto não tinha cérebro.O que o Espiritismo diz a respeito?

Há pouco tempo atrás, foi feito uma reportagem sobre uma outra senhora que estava esperando um bebê e descobriu que ele não tinha cérebro. Ela e o marido decidiram levar a gravidez adiante e o bebê faleceu logo após ter nascido. Graças a este gesto, foi possível doar o coração do bebê para um outro bebê, que pôde sobreviver graças ao transplante. Felizmente tudo correu bem e eles fizeram de uma dor um motivo de alegria e satisfação. Conseguiram superar seus traumas. Não queremos com isso, julgar quem tenha passado por essa mesma situação e agido diferente. A Doutrina Espírita nos ensina a compreender e não a condenar. Apenas achamos que quando nos propomos realmente a amar o próximo, entendemos melhor os "porquês da vida" e nossa cruz se torna mais leve.

Autoria: 
Revista Cristã de Espiritismo