O outro mundo


É cada vez mais comum, seja na roda de amigos, nos círculos de estudos ou mesmo - nos filmes, peças teatrais e novelas - a referência ao “outro mundo” como continuação do “nosso mundo”.

O que antes era assunto de acerbas discussões, a relação entre os mundos, hoje discutem-se apenas detalhes de como deve ser, ou de como essa relação pode interferir em nossas vidas. O fato importante a salientar é que grande parte das pessoas estão aceitando, normalmente, a idéia do mundo espiritual.

Você pode estar pensando: e o que isso tem de mais, não é o que conhecemos e acreditamos? Com certeza, não há nada de extraordinário nisso, pois a vida, após a morte, é algo que, para nós espíritas, preenche normalmente a lógica da existência.

Pois bem, então o que “está pegando”?

Pela nossa observação, é a falta de critério nas conclusões sobre esse “mundo”.

Não podemos afirmar ou induzir as pessoas a aceitarem que a Doutrina Espírita seja a única que possa nos explicar essa dualidade da existência sem incorrermos em erros ou falsas interpretações. Mas a verdade é que as pessoas, interessadas ou curiosas em relação a isso, deveriam colocar a Doutrina como uma das fontes de pesquisa, e isto, por meios dos livros considerados básicos (a codificação Kardequiana) e não após lerem, poucos e não muitos conhecidos livros (ditos espíritas).

Alguns, após ouvirem uma palestra ou como já citamos, lerem um ou outro livro, já se sentem em condições de conviver com o mundo espiritual, norteando suas vidas nessas poucas e rápidas informações.

Outros, ainda, buscam, em outros caminhos, informações que julgam complementares, sem, ao menos, terem iniciado, de uma forma concreta e coerente, seus estudos da Doutrina Espírita.

Um estudo simples e superficial pode nos dar uma pequena idéia do quanto podemos aprender e, conseqüentemente, evoluir com um estudo sistemático daquilo que conhecemos como a Doutrina dos Espíritos e, para isso, as Casas Espíritas, preparadas que são para essa tarefa, mantêm cursos regulares de estudo e desenvolvimento das faculdades mediúnicas e do intercâmbio e relacionamento com o “outro mundo”.

O conhecimento das leis da vida nos fortalece para os aprendizados de cada dia e permanece conosco pela vida espiritual, nesses e em outros planos da existência.

Se, por um acaso, você tem vontade de conhecer um pouco mais sobre essas coisas e vivenciar um relacionamento mais saudável com os companheiros espirituais, aqui vai uma sugestão: procure uma casa ou associação espírita no seu bairro ou na sua cidade e aproveite a oportunidade e estude, pois, embora a vida seja eterna, aqui neste mundo o tempo é curto.

Autoria: 
Humberto Pazian