Clamor da juventude


Quando jovens, é de certa forma compreensível que os instintos mais aflorados nos estimulem a vivenciar nossa existência de forma mais impetuosa.

O clamor da juventude inebria o nosso ser fazendo com que, muitas vezes, sejamos intempestivos no pensar, no agir, no falar, no gesticular, fazendo-nos colher no futuro, às vezes próximo, o fruto de tudo aquilo que houvermos semeado.

As pessoas que conosco mantêm contato sentem-se, por vezes, desrespeitadas, agredidas, magoadas pela nossa falta de sensibilidade e, como conseqüência, desestimulam-se a conosco manter um diálogo que, acreditam, provavelmente não seria agradável e, muito menos, profícuo.

Assim agindo, os jovens acabam por desperdiçar oportunidades maravilhosas de convívio, de aprendizado, de evolução, deixando de desfrutar companhias cheias de experiência, conhecimento, compreensão, carinho e amor. e, ao mesmo tempo, deixarão de presentear, aqueles com quem poderiam dialogar, com o entusiasmo, com o otimismo e com a beleza da juventude que ora vivenciam.

Por estas razões, a você jovem que neste instante nos oferta o carinho da sua atenção, gostaríamos que meditasse com profundidade sobre o que acabamos de lhe escrever, para que possa enquistar em seu coração duas jóias maravilhosas que denominamos de: equilíbrio e harmonia, que lhe possibilitarão usufruir imensas alegrias ao mesmo tempo que lhe permitirão, também, levar a outros tantos corações o prazer da sua presença respeitosa e fraterna.

E a você, que em idos tempos já teve a ventura de desfrutar o brilho da juventude, lhe pedimos que faça emergir, também, da sua alma, o perfume do equilíbrio e da harmonia, para que possa balsamizar o coração de todos os jovens que vierem ao seu encontro, fazendo-os usufruir a sua experiente, pacienciosa e terna companhia.