Bendita a Vida


Nos momentos de nossas vicissitudes,
Quando a tristeza visita nossa fisionomia,
Por vezes, alteramos nossas atitudes,
Esquecendo-nos da beleza da alegria.

Dores pungentes vêm em nossa direção
Levando o pessimismo à nossa alma,
Fazendo chorar o nosso coração
Nos apartando do suave murmúrio da calma.

Procuremos olvidar as nossas dores,
Não deixemos que em nós façam guarida,
Não nos tornemos renitentes sofredores.
Enalteçamos, decididamente, a vida.

Possuímos vibrante em nós este tesouro
Valorizado intensamente pelas almas sofridas.
Trata-se, em verdade, de uma pepita de ouro.
Bendita seja você, vida!

O Pai Eterno dela nos fez presente
Para testemunharmos o poema do amor
Esquecendo de nós, lembrando-nos do indigente
Que tem seu coração lancetado pela dor.

Façamos de estandarte a caridade
Suavizando o sofrimento de tantos
Para que de nós sintam saudade
Por termos, deles, enxugado o pranto.

Usufruamos a vida com todo o apreço
Buscando nela encontrar sua brilhante luz.
Para tanto, basta que procuremos seu endereço
Que se encontra no Evangelho de Jesus